Você já ouviu falar no benefício do Salário-Família? Não? Pois é, ele é um benefício pouco conhecido entre as pessoas…. você pode até ter direito e nem saber disso.

Em 2016 foram cerca de 5,7 milhões de pessoas beneficiadas pelo Salário-Família.

Mas fica tranquilo porque o blog do Ingrácio está aqui para te ajudar e você pode descobrir este benefício que pode influenciar, de forma positiva, na sua vida e no seu bolso.

Neste post você vai entender:

  • O que é o Salário-Família?
  • Quais os requisitos do Salário-Família?
  • Quem tem direito ao Salário-Família?
  • Qual o valor do Salário-Família?
  • Posso acumular o benefício?
  • Quando acaba o Salário-Família?
  • Como e onde requerer o Salário-Família?
  • O que é o Salário-Família?

    O Salário-Família é um benefício que tem como objetivo a complementação da renda da família de um trabalhador de baixa-renda.

    Como é um complemento, não é um benefício que serve para substituir o salário do trabalhador. Ou seja, é um valor que vai ajudar nas despesas mensais de sua família.

    Como o nome sugere, esse benefício é pago para os trabalhadores de baixa-renda que possuem filhos entre 0 e 14 anos de idade ou para filhos que têm algum tipo de invalidez/deficiência.

    Vou explicar melhor os requisitos no próximo tópico.

    Quais os requisitos do Salário-Família?

    Você precisa cumprir dois requisitos essenciais para ter acesso ao Salário-Família:

    • ter filho de até 14 anos OU filho, de qualquer idade, com invalidez/deficiência;
    • ter uma renda mensal abaixo do valor limite estabelecido pelo INSS para cada ano (trabalhador baixa-renda).

    Observação: não é preciso cumprir nenhum tipo de carência para ter direito ao benefício.

    Importante: o enteado e o menor tutelado são equiparados a filho.

    Para isso, eles devem ter até 14 anos de idade ou serem inválidos/deficientes (de qualquer idade) assim como para os filhos naturais.

    Cabe dizer que quem vai verificar a situação de invalidez/deficiência é o próprio INSS, em uma perícia médica destinada a fim de verificar a incapacidade do seu filho.

    Além disso, é preciso que seja comprovada a dependência econômica destes filhos equiparados para você poder ter direito ao benefício.

    Voltando aos requisitos

    Cumprir o primeiro requisito é bastante fácil. O fato gerador do benefício do Salário-Família, como o próprio nome sugere, é você ter filho (o que constitui uma família).

    A lei fala, de forma explícita, que o filho deve ter até 14 anos de idade para você receber a cota-parte referente aquela criança.

    Se o seu filho for inválido/deficiente, não há restrição quanto a idade dele ou dela.

    No que se refere ao segundo requisito, o benefício do Salário-Família é devido somente aos trabalhadores de baixa-renda.

    A lei diz que é considerado baixa-renda, para fins deste benefício, o trabalhador que recebe um salário inferior ao estabelecido anualmente pelo INSS.

    Em 2020, o valor máximo (bruto) que o requerente do Salário-Família pode receber para ter direito ao benefício é R$ 1.425,56.

    Por exemplo, imagina que você trabalha como motorista numa empresa, ganhando R$ 1.200,00 e tem um filho de 4 anos. 

    Como a sua remuneração está abaixo do estabelecido, você tem direito ao benefício.

    O pai e a mãe podem receber, cada um, o Salário-Família?

    Um pai e uma mãe, se casados ou em união estável, podem pedir, separadamente, o Salário-Família.

    Para a apuração do requisito de trabalhador de baixa renda, a renda dos dois não é somada.

    Além disso, o mesmo filho pode servir para o cumprimento do primeiro requisito explicado.

    Por exemplo, imagine a situação de Pedro e Bianca. Os dois são casados há 5 anos e possuem um filho de 3 anos.

    Bianca recebe R$ 1.000,00 por mês e Pedro R$ 700,00. 

    Os dois recebem abaixo do valor máximo estabelecido pelo INSS em 2020 e tem um filho de até 14 anos.

    Desse modo, os dois receberão o Salário-Família.

    E se o pai e a mãe forem separados? Os dois também terão direito?

    Aqui a coisa muda um pouco de figura…

    Caso os pais da(s) criança(s) estejam separados/divorciados, quem terá direito a pedir o benefício será quem tiver a guarda do(s) filho(s).

    Porém, se a guarda do filho for compartilhada entre os pais, os dois terão direito ao Salário-Família.

    Isso porque o sustento do menor ou inválido é feita por ambos… então, nada mais justo que os dois tenham direito ao benefício.

    Quem tem direito ao Salário-Família?

    Já te adianto que não são todos os tipos de segurados do INSS que têm direito ao Salário-Família.

    São somente os trabalhadores empregados com carteira assinada que podem receber o benefício. Estou falando aqui dos:

    • trabalhador empregado comum (auxiliar administrativo em uma empresa, por exemplo);
    • trabalhador empregado doméstico;
    • trabalhadores avulsos.

    Isso significa que os segurados especiais, segurados facultativos, contribuintes individuais e Microempreendedores Individuais (MEIs) não tem direito ao Salário-Família.

    Quem paga o benefício é o próprio empregador do trabalhador ou o sindicato, no caso dos trabalhadores avulsos. Por isso as outras modalidades de segurados citados acima não podem receber o benefício.

    Qual o valor do Salário-Família?

    De início, preciso te avisar que o Salário-Família é pago em cotas-parte para os requerentes do benefício.

    Essas cota-parte (valor do benefício) depende da quantidade de filhos que o segurado possui.

    Lembre-se que os filhos devem ter até 14 anos OU sejam inválidos/deficientes.

    O valor da cota-parte é de R$ 48,62 para cada filho que se enquadra na regra.

    Por exemplo: uma pessoa vai requerer o Salário-Família e possui 2 filhos, um de 12 anos e outro de 5.

    Ele receberá R$ 97,24 de benefício, porque é pago R$ 48,62 referente ao filho de 12 anos + R$ 48,62 referente ao filho de 5 anos.

    Para você entender melhor, elaborei esta tabela contendo a quantidade de filhos e o respectivo valor do Salário-Família:

     

     Quantidade de filhos 

    Valor do benefício

    1

    R$ 48,62

    2

    R$ 97,24

    3

    R$ 145,86

    4

    R$ 194,48

    5

    R$ 243,10

    6 filhos ou mais

     Multiplicar a quantidade de filhos por R$ 48,62 

    Posso acumular o benefício?

    Em regra, o Salário-Família pode ser acumulado com qualquer benefício do INSS, como Auxílio-Doença, Auxílio Acidente, Salário Maternidade, Pensão por Morte, Auxílio Reclusão, entre outros.

    E uma notícia ótima: o Salário-Família também pode ser acumulado com as aposentadorias. É isso mesmo!

    três hipóteses em que pode ocorrer essa acumulação:

    • se você for aposentado por invalidez ou por idade;
    • se você for aposentado (qualquer modalidade) e possuir 65 anos de idade ou mais, se homem, ou 60 anos de idade ou mais, se mulher;
    • se você for aposentado (qualquer modalidade) e voltar a trabalhar com carteira assinada.

    Nos dois primeiros casos, você receberá o Salário-Família juntamente com o valor da sua aposentadoria.

    Isso também acontece quando você está recebendo algum outro benefício previdenciário, como o Auxílio-Doença.

    Assim, você recebe a sua cota-parte do Salário-Família juntamente com o valor do outro benefício.

    Já na última hipótese você recebe o valor do benefício junto com o seu salário, que é pago pelo seu empregador.

    Quando acaba o Salário-Família?

    4 casos em que o Salário-Família pode ser cessado.

    Elaborei esta tabela para você entender as situações e a partir de qual data o benefício acaba:

     

    Hipótese de cessação do Salário-Família

    Data que o Salário-Família acaba

    Por morte do filho ou equiparado a filho

    No mês seguinte à data do óbito

    Quando o filho ou equiparado a filho completar 14 anos de idade (exceto filho inválido/deficiente)

    No mês seguinte à data de aniversário

    Pela recuperação da capacidade do filho ou equiparado (casos em que o filho ou equiparado é deficiente/inválido)

    No mês seguinte à data de cessação da incapacidade

    Pelo desemprego do beneficiário

    Na data em que é encerrado o contrato de trabalho do beneficiário

    Preciso te dar uma informação super importante: quando você começar a receber o benefício, você deve assinar um termo de responsabilidade.

    Com esse termo, você se compromete a comunicar à sua empresa (ou sindicato, para trabalhadores avulsos) ou à Previdência (quando você recebe um benefício previdenciário) qualquer fato ou circunstância que determine a perda do direito ao benefício, como os que expliquei acima.

    Se você não cumprir o estipulado no termo de responsabilidade, você estará sujeito a punições trabalhistas e penais.

    Caso isso aconteça, o seu empregador ou o INSS podem descontar os valores pagos indevidamente à você, em conta da fraude, direto na folha de pagamento ou no benefício previdenciário recebido.

    Portanto, fique atento para fazer a comunicação caso ocorra algumas das hipóteses citadas na tabela acima.

    Como e onde requerer o Salário-Família?

    Os empregados, empregados domésticos devem pedir o Salário-Família diretamente para o seu empregador. Já o trabalhador avulso deve pedir para o seu sindicato.

    Se você recebe algum benefício previdenciário, o requerimento do Salário-Família deverá ser feito na Previdência Social, mais especificamente no Meu INSS.

    Para as duas categorias de beneficiários do Salário-Família, é necessário apresentar os seguintes documentos:

    • certidão de nascimento do(s) filho(s);
      • na hipótese de filhos equiparados são necessários os seguintes documentos:
        • certidão judicial de tutela (para o menor tutelado) OU certidão de nascimento (para o enteado);
        • certidão de casamento OU provas de união estável entre você e o genitor ou genitora do enteado;
        • declaração de não emancipação;
        • comprovação de dependência econômica do tutelado ou enteado.
    • documento de identificação com foto e CPF;
    • caderneta de vacinação ou equivalente dos filhos ou equiparados de até 6 anos de idade. Essa exigência não é necessária para os empregados domésticos;
    • comprovação de frequência escolar dos filhos ou equiparados de 7 a 14 anos de idade. Essa exigência não é necessária para os empregados domésticos;
    • preenchimento e assinatura do termo de responsabilidade comentado anteriormente;
    • comprovação de frequência escolar dos dependentes de 7 a 14 anos de idade;

    Importante: a apresentação da caderneta de vacinação do filho ou equiparado deve ser comprovada todo o ano, no mês de novembro.

    Já a declaração de frequência do filho ou equiparado deve ser apresentada a cada semestre, nos meses de maio e novembro.

    Se essas documentações não forem apresentadas nos períodos informados, o benefício pode ser suspenso até que os comprovantes sejam entregues.

    Conclusão

    Pronto, como esse guia completo você já entendeu tudo sobre o Salário-Família!

    Com poucos minutos de leitura, você já sabe se pode ter direito a um benefício que nem podia ter noção que existia.

    Confira sua renda e os outros requisitos necessários para você ter acesso ao Salário-Família e veja se você pode o requerer.

    O valor do benefício não é tão alto assim, mas já é um complemento de renda para que a sua família não passe por tantos apertos financeiros.

    E então, gostou do benefício? Compartilhe com quem tem direito ao salário-família e se inscreva em nossa newsletter para receber conteúdos exclusivos.