Se você está planejando se aposentar ou deu entrada em algum benefício no INSS, provavelmente já ouviu falar sobre o período de carência.

Mas você sabe identificar se precisa do período de carência para obter a concessão do seu benefício?

Caso não saiba, hoje vou mostrar como saber se o período de carência será relevante para a concessão do seu benefício.

Além do mais, também vou ajudar você a entender como funciona a contagem desse período.

Veja o que você compreenderá neste material:

1. O que é o período de carência?

Antes de mais nada, quero explicar como funciona o período de carência e se ele poderá interferir na sua vida previdenciária. 

Então, para você entender, saiba que a carência é o tempo mínimo que você precisará contribuir para o INSS para ter direito a um benefício.

Ela sempre será contada em meses e não em dias.

Ou seja, carência é o número mínimo de meses pagos ao INSS para que você ou seu dependente possam ter o direito de receber um benefício.

Portanto, você precisará se preocupar se esse período está em dia.

Uma coisa interessante sobre a carência é que, mesmo que você não tenha trabalhado todos os dias para fechar um mês, este mês será considerado no período de carência. 

Exemplo da Zelda

Suponha que a segurada Zelda tenha trabalhado somente três dias do mês de julho de 2022. Mesmo assim, ela terá um mês cheio na contagem do seu período de carência.

  • Curiosidade: o tempo de contribuição era contado em dias até 13/11/2019.

No dia 14/11/2019, ocorreu uma modificação. 

Desde então, o tempo de contribuição também começou a ser contado mês a mês, mas não em qualquer caso, e sim quando o recolhimento de determinado mês tiver como valor base de contribuição um salário-mínimo ou mais que isso.

E, aí, conseguiu entender direitinho? 

Vamos continuar com o conteúdo agora?

2. Qual a diferença entre carência e tempo de contribuição?

Provavelmente, lendo o tópico anterior, você deve ter ficado com essa dúvida.

Como disse antes, a carência é o tempo mínimo que você deverá cumprir para ter direito a determinado benefício.

Por analogia, a carência terá o mesmo sentido em outros aspectos da sua vida.

Por exemplo, quando você se torna assinante de um plano de saúde.

Para você poder fazer uma cirurgia específica, precisará ter determinado número de meses pagos para poder realizar o procedimento cirúrgico com os benefícios que o plano de saúde oferece.

Ou seja, será preciso cumprir uma carência mínima para desfrutar dos benefícios.

No INSS, será a mesma coisa.

Já o tempo de contribuição, será o período efetivo em que a pessoa fez recolhimentos para o INSS. Seja como segurado obrigatório seja como segurado facultativo.

Em regra, para cada mês ser considerado como tempo de contribuição, o recolhimento deverá ter como base o valor de um salário-mínimo (R$ 1.212,00 em 2022) ou mais.

Então, tenha em mente que a carência será um pré-requisito para a pessoa ter direito a determinado benefício.

Sem reunir o tempo de carência necessário, você não terá acesso ao benefício.

Na prática, o tempo de contribuição será um requisito para os benefícios. 

Principalmente, para as aposentadorias.

3. Quais períodos não contam para a carência?

Você sabia que nem todos os períodos entrarão na contagem da carência?

Pois é, caso você tenha algum dos períodos listados abaixo, no seu histórico, saiba que eles não entrarão na sua contagem da carência:

  • Tempo de serviço militar, obrigatório ou voluntário;
  • Tempo de serviço do segurado trabalhador rural, anterior a novembro de 1991, ou período indenizado após 1991;
  • Período de auxílio-acidente ou auxílio-suplementar;
  • Período de aviso prévio indenizado;
  • Período de retroação da DIC (Data de Início das Contribuições) e o referente à indenização de período.

4. Quais benefícios previdenciários exigem carência?

Nem todos os benefícios exigem período de carência.

Mas para os benefícios abaixo, a carência será indispensável:

BenefícioCarência
Auxílio-doença 12 meses
Aposentadoria por Invalidez 12 meses
Aposentadoria por idade180 meses
Aposentadoria por tempo de contribuição
180 meses
Aposentadoria especial180 meses
Salário-maternidade:
Contribuinte individual;
Segurado facultativo;
Segurado especial.



10 meses
Auxílio-reclusão24 meses

Em contrapartida, os benefícios que não exigirão carência são:

5. O que fazer agora?

Antes de tudo, sempre confira seus dados no site Meu INSS e veja se você possui o tempo de carência para o benefício desejado.

Qualquer dúvida, procure um advogado especialista em previdenciário.

Assim, um profissional poderá ajudar você a compreender o seu caso e quais são as suas reais possibilidades.

Espero que tenha ficado mais evidente para você como funciona o período de carência, porque ele é um requisito importante para obter a concessão de muitos benefícios.

Sem o período, você poderá ficar sem o benefício que pretende conseguir. 

Por isso, fique atento a essas informações, ok?

Para ajudar em outras dúvidas frequentes, vou deixar uma listinha de conteúdos bem legais. São textos que farão você entender melhor a sua situação previdenciária:

Gostou do texto? 

Então, compartilhe esse conteúdo com seus conhecidos, amigos e familiares.

Até a próxima! Um abraço.

Leticia Ortiz

OAB/PR 110.354

Compartilhe o conteúdo:

Plano de Aposentadoria

Cuidamos da sua Aposentadoria do início ao fim. Somos especializados em aposentadorias no INSS e Servidores Públicos com atendimento online em todo o Brasil e Exterior.

Quero saber